Lilypie Joana

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Diogo

Lilypie Third Birthday tickers

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Quase 6 anos - Joana


A duas semanas de fazer 6 anos no baloiço do "nosso" jardim:
"Olha uma coisa fantástica, não me consigo sentar no baloiço! CRESCI!" - e aqueles olhos azuis crescem também e iluminam-se!
Tão grande! Voa filhota!







quarta-feira, 23 de abril de 2014

11 meses Diogo


11 meses, nem dá para acreditar!
Estes meses têm passado a voar, para eles e para nós! Parece que ainda ontem foi Natal e já passou a Páscoa...
A Joana está a 2 semanas de fazer 6 anos...!

Nestes últimos tempos há a destacar a agilidade e o dizer muito sem falar nada.
Faz festinhas e encosta-se para o mimo. Alguma mamazite.
Em contagem decrescente para 1 aninho do nosso bebé.


À conquista do mundo, começando por Fornelos, às cavalitas do pai

[E ainda]

Na 3ª feira fui com ele à pediatra. Regressámos às consultas com a nossa querida dra. L., recuperada de um mau bocado. Estávamos muito bem com a substituição pela dra. A., no entanto são já quase 6 anos de doces momentos com a dra. L., tendo estado presente nos mais bonitos das nossas vidas, o nascimento dos dois.
O Diogo está óptimo e mostrou as habilidades. O peso está surpreendentemente abaixo do esperado, 8,480 kg, que o faz descer de percentil. Na verdade ele andou a comer mal na semana em que esteve com a virose e de há uma semana para cá tem diarreias frequentes, no entanto como come tão bem e aparentemente até está redondinho, não esperávamos alterações. Nada demais, segundo a médica o mau estar deve-se aos dentes que querem nascer e o peso só tem que ser vigiado. Voltamos dentro de 1 mês.


terça-feira, 15 de abril de 2014

O bom mau comportamento

Ao fim de quase 3 anos de infantário temos as primeiras queixas de mau comportamento da Joana. Aleluia!
No início dos tempos tínhamos uma Joana que chorava ansiosa e insegura perante a contrariedade. Depois passámos a uma menina contrariada, mas resignada.
Agora temos uma (pontual!) insubordinada, que questiona e contraria as regras e faz as asneiras todas típicas da sua idade.
E sobretudo, sabe defender-se, até demais. À mínima provocação há resposta ou encontrão prontos. Preparadíssima para a primária.

Às escondidas achamos graça, até certo ponto. À frente dela temos que refrear, controlar, mostrar que é errado fazer aos outros o que não gostaria que lhe fizessem.
Assim é crescer.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Doente - eu

Nada melhor que ficar doente em vésperas do Diogo ser baptizado. Ontem começaram os arrepios e dores no corpo, à noite o dr. Avô diagnosticou uma amigdalite... Entrei em shutdown autêntico.
Há 3 anos que não ficava doente, fora um pingo no nariz ou uma tosse e agora... muito oportuno como sempre.
Antes eu que eles. Ah pois, eles já estiveram, ela com uma amigdalite também, ele com uma virose.
Estas semanas foram a loucura, com picos duros de cansaço.
Por muito que antecipasse imprevistos, para hoje ficaram as coisas que só podem ser feitas em cima do dia. E lá me pus em pé, drunfada e zonza, a tratar do bolo, do cabelo, etc.
Curioso que a pdi me trouxe mais resistência. Antigamente umas décimas de febre e aterrava. Talvez não seja a idade, mas sim a necessidade de andar sempre para a frente.

Andavamos a consultar o boletim meteorológico e tornou-se insignificante o estado do tempo amanhã. Só quero todos bem.
E um dia maravilhoso para o meu doce menino.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Carta aos meninos 09-03-2014


Há um mês fui ao Algarve de avião, em trabalho e foi inevitável sentir aquele medo de nunca mais os ver e crescerem sem mãe. O pai disse que isso podia acontecer a qualquer altura, que era disparate estar a pensar nisso, que o avião não mudava nada. Tem toda a razão e pensar que podia acontecer de um minuto para o outro, ainda me motivou mais a escrever uma carta aos meninos, que não foi coisa que nunca tivesse pensado. A de 5 anos lembrar-se-ia de mim, o de 10 meses, pouco. Têm fotos, registos em diários e no blog, mas que conselhos teriam eles meus para a vida no futuro?
Escrevi a carta de rajada, em 5 min, enquanto o Diogo dormia, a miúda tinha ido ao parque e a mala estava por fazer. De qualquer forma, por mais que escrevesse ficaria sempre incompleta.
Lembrei-me que aos outros, família e amigos, também seria importante dizer algo.
Deixei-a na gaveta do meu marido para que a encontrasse em má circunstância. Regressei sã e salva. Ele acabou por vê-la e tendo achado que ter pensamentos antecipados era um disparate... ficou em choque a pensar nisso...
Os meus desejos são que cresçam felizes, livres, sem medos, sejam fortes e lutem, que não deixem que lhes cortem as asas. Que façam o que quiserem, desde que não prejudiquem ninguém.
Pretendo ir actualizando o conteúdo, à medida que formos todos crescendo, adequando à idade e compreensão que tiverem.
 
Vi uma carta muito idêntica no "Socorro sou mãe" e lembrei-me de deixar também aqui o registo.
 
09-03-2014
E se amanhã...
 
Queridos filhotes,

Vou hoje para o Algarve e bate aquele medo de não voltar, já que vou de avião. É inevitável esta sensação ao afastar-me de vocês.
Para o caso de "amanhã" não estar cá (o que pode acontecer a qualquer altura, é verdade, por isso esta carta será sempre válida) e como são pequenos para vos dizer tanta coisa sobre o futuro...
Amo-vos acima de qualquer coisa, um sentimento forte poderoso, divino, transcendente, sem dimensão e incontrolável
Vivam a vossa vida intensamente e a cada minuto. Vivam como quiserem, façam o que gostam (desde que isso não prejudique ninguém), aceitem o menos bom, de forma resiliente, mas não se resignem, lutem! Não tolerem o inaceitável, o que vá contra os vossos valores, o justo, o respeito pelos outros e por vós próprios.
Não se importem com o que os outros pensam, não deixem que vos cortem as asas. Acreditem em vós, nos vossos sonhos.
Corram, briquem muito! Andem de baloiço e escorrega! Chapinem no banho, façam castelos na praia, dêem muitos mergulhos! Joguem à bola, rasguem as calças, dêem trambolhões de bicicleta.
Tentem não ir muitas vezes ao hospital, nem ficar doentes.
Façam os trabalhos de casa. Estudem, dediquem-se ao que gostariam de fazer no futuro.
Não deixem que vos pisem.
Namorem muito, mas com juizinho. Não bebam demasiado, nem conduzam com os copitos...
Sejam amigos um do outro, do papá, dos avós, dos tios e primos, da família e dos amigos - não há bem maior.
Sejam fortes e corajosos a energia está em vós, acreditem.
Sejam crianças e adultos felizes.
Se amanhã cá não estiver, acreditem que estarei convosco todos os dias.
Portem-se bem e um bocadinho mal.
Sejam muito felizes!

Queridos pais,
Amo-vos muito. Obrigada por esta vida maravilhosa. A vós não consigo ensinar nada, por isso peço que tomem conta dos meus meninos. Que todo o amor por mim transborde para eles. Estarei convosco.

Querido marido,
Amo-te muito. Obrigada por esta vida a dois.
Toma conta do melhor que há em nós, sob a forma de Joana e Diogo.

Mano e mana,
Estão no meu coração, obrigada. Amo-vos.

Avós,
Amo-vos, obrigada por tantos momentos bons.

Família e amigos,
Obrigada! Amo-vos!


Para todos,
Ajudem-nos a fazer crescer a Joana e o Diogo felizes.
 

quarta-feira, 9 de abril de 2014

10 meses e meio - Diogo

09.04.2014

Esta última semana tem sido explosiva em desenvolvimento, sobretudo do movimento.
Na 4ª feira da semana anterior começou a ensaiar o gatinhar, na 5ª disparou atrás da boneca de mana e ninguém o pára agora.
Passou a conseguir pôr-se em pé com facilidade e a correr o sofá em passinhos. Segura-se só com uma mão e troca de mão, para um lado e para o outro. Já tentou a proeza de bater palmas pelo meio, mas a gravidade ainda não o deixa. Tem percepção disso e volta a agarrar-se. Quando cai já tem o reflexo de se sentar ou de pôr as mãos no chão.
Os fios e tomadas são um atracção natural.
Ontem descobriu a mesa da televisão, cheia de equipamentos, botões, luzes, fios, cds e DVDs. Demos-lhe um comando antigo, mas qual quê, quer sempre os que não pode.
Sendo assim, abriu a caça ao Diogo e temos nova decoração - sofá encostados, parque montado e almofadas a fechar o quadrado com as paredes - para que possa brincar mais à vontade.

A agilidade com as mãos é cada vez maior e põe intencionalmente os brinquedos a funcionar, apitar, andar - deviam ser proibido sons estridentes, pela saúde mental dos pais. Temos que os ir trocando para serem novidade, se não desinteressa-se.
 
Quando dizemos "faz miminho", ele faz festinhas (chapadas, vá) e encosta a cabeça de boca aberta.
Está aliás um mimoco, gosta de festinhas, de adormecer no colo, que lhe cantemos. Quando canto entoo o "olha o sol que vai nascendo" acalma-se de imediato (lembro-me tão bem desta música tocar no gira-discos dos meus pais em miúda).
 
Esteve doente com uma virose que durou 3 dias, com febre e umas pintas nas costas. À custa destas, no hospital fizeram-lhe análises ao sangue e, por incompetência ao picar, tiveram que lhe pôr um cateter, que gerou muitos gritos e uma mão negra. Conto com o coração apertado e nem vi, o pai é que sofreu com ele.
Esta virose tirou-lhe o apetite, está pisco e bebe cada vez menos leite. Não come a fruta e papa todas, mau sinal para o glutão que pedia sempre mais.

Mais dentes devem estar a caminho, tal é a intensidade que mói a chucha e dedos.


Parece-nos subitamente maior, no entanto não foi assim tão rápido, a desenvoltura e o estar muito em pé, "esticado", é que revelam aquilo que é um facto: o nosso bebé tem quase 1 ano.


A gatinhar para o mundo... e para conquistar as babes

E agora de pé, só com uma mão e um sorriso cheio de charme