Lilypie Joana

Lilypie Kids Birthday tickers

Lilypie Diogo

Lilypie Third Birthday tickers

domingo, 30 de junho de 2013

S. João do Porto e de Paiva

 
Num (novo) rasgo de loucura, eu com 4h de sono aos bocados, o pai movido a ben-u-rons e brufens, decidimos ir ao S. João a Castelo de Paiva para a miúda aproveitar a festa com as primas.
Valeu bem a pena pela alegria com que ficou só de saber que ia e depois com o que se divertiu na piscina, nos baloiços, com os animais e à noite nos carrocéis na vila.
Esta parte já não vi, fiquei com o Diogo em casa e assisti na tv ao fogo do Porto.
Quando chegamos a nossa casa, já de madrugada, a minha noitada continuou, com o Diogo inquieto, talvez por ter faltado à festa. Atingi a exaustão e pedi ajuda ao pai, rezando para os bichos terem ido embora de vez.
No dia de S. João o pai foi com ela passear até ao Cais de Gaia, com direito a baloiços, corrida de rabelos e um salto às Fontaínhas com nova dose de carrocéis.
Eu fiquei em casa dos avós a dormir umas belas 2h e a pensar que bom era ela usufruir, tanto quanto eu noutros tempos.

Lembrei-me das festas da infância, em que íamos com os primos e tios, bem cedo, até à Rotunda da Boavista andar nos carrocéis munidos de martelos e, quando a confusão se instalava, regressávamos ao quintal, os adultos para a sardinhada com a avó Mimi, as crianças para os balões e uma panóplia de fogos que o tio J. adorava comprar antecipando o seu aniversário. No dia  vinha buscar-nos e íamos a piscina da Granja para mergulhos divertidos, que muitas vezes inauguravam a época balnear.
Fui tão feliz no S. João!
 
 
 

 

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Coisas à pai

Deitar-se no chão a ver tv, espapassada.
Andar descalça, tira o calçado mal chega a casa.
Dormir sem cuécas - desde que ficou vermelha no "pipocas" o pai deu essa ideia e instalou-se a moda sem cuécas.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

As nossas mamas - neste caso só minhas

Entretanto com o pai doente, todo o cansaço, nervosismo e menos mãos para a logística dos miúdos, foi necessário aumentar a quantidade de suplemento. Não há volta a dar, sou sensível a estes factores.
Haja saudinha, que eu já tinha jurado que não me ia passar com a amamentação e já estava a ir pelo cano. As pressões externas sob cansaço dão para flipar e a interna também, pela pena dele não aproveitar. Há algo de muito instintivo nisto, um certo sentimento de falha, de culpa, que estava a querer apoderar-se de mim, tal como quando foi a 1a filha, pelo que resolvi mandar a biologia às urtigas, pelo bem geral da nação. É o que for, como for, até quando for.

Instintiva e muito tuga é a capacidade das pessoas opinarem, meterem o bedelho. Não é só na questão da amamentação, é em todas. Pessoas sem filhos e com filhos (que deviam ter juízo porque passaram pelo mesmo), novas e velhas, com ideias novas e velhas, toda a gente sabe tudo, até quem vê miúdo pela 1ª vez sabe se tem sono ou calor ou mimo ou dores, que a chucha faz mal, que está corrente de ar. E durante 5 seg sinto-me incompetente, para depressa acordar e pensar, "é pá, eu até sou a mãe e até nem é o 1º, onde estará toda a gente daqui a umas horas para ajudar, abanar o carrinho, ?"
É aquela vontade de dominar uma cena ou até pode até ser bem intencionado, mas mói. E mói especialmente na questão da amamentação, pois está ligada à capacidade de fazer crescer uma criança e lá está, "entronca" na biologia" e agrava pela incapacidade de nos mantermos zen.

São aceites além das nossas opiniões como pais, as da pediatra e equipas médicas e da família próxima, que efectivamente zela pelo bem-estar do bebé e pelo nosso também, que fazem plantões à noite, refeições de dia, aliviam-nos o cansaço, levam-nos mimos, passeiam com a Joana, vão busca-la à escola, dão-lhe de lanchar - desde que respeitem que a decisão final é nossa.

E sabem que mais? I'm good!


Mais directa e melhor do que ninguém descreve a Dora do Locais Habituais em "Deixai as nossas mamas e as nossas camas em paz"

terça-feira, 25 de junho de 2013

Agora somos nós os dois

O pai terminou a licença começou hoje a trabalhar, a avó R. já voltou na 5ª feira de vez para casa, a mana está na escolinha.
Agora somos só nós os dois no turno diurno (e maioritariamente no nocturno...) miúdo e haverá dias (e noites) de tudo.
Let´s do it.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

1 mês de Diogo

23.06
Com um mês o Diogo
- pesa 3.120 kg e mede 49.5 cm (5a feira) - de repente todos os tamanhos 0 deixaram de servir, veste confortavelmente o 1
- reage aos sons e vozes e tenta segui-los com os olhos
- fixa objectos sobretudo de cores fortes
- tem muita força na cabeça, quando deitado de para baixo ergue-a e vira-a de um lado para o outro; quando ao colo estica-a para trás para espreitar
- surpreendeu-me mesmo no dia do mês ao virar-se totalmente para o lado
- faz uns sonzinhos deliciosos, "arr", "arg" e um "ai" zangado
- tem coxinhas, pancinha e bochechinhas
- continua a dormir em "posição de ecografia", com as mãos ao lado da cabeça
- continua muito calminho, só chora mesmo quando algo o incomoda, como uma rara cólica
- deixou este fim de semana de ser um absoluto relógio de 3h, agora é variável e chega as 4, 5h. A pediatra também nos deu carta branca quanto à questão de acordá-lo, visto o aumento de peso e não se ficar quando tem fome.
- é um comilão, que esta semana nos pôs a cabeça em água, aparentemente sempre insatisfeito. Estava a tomar suplemento só ao fim do dia e foi necessário progressivamente dar mais cedo, às vezes 10 ml. 
Após conversa com a pediatra na 5a feira ficamos mais tranquilos. É difícil chegar a conclusões, mas "problema" será mamar mais do que a quantidade "indicada" e de empreitada, restos não são para ele. Tem necessidade de uma sobremesa que o embadoche. Não tenho andamento para isto! Diz que há bebés assim, antecipam o parto e depois querem crescer depressa!
Indicou-nos só dar suplemento quando ficar manifestamente a pedir.
Na consulta todos os restantes parâmetros estavam bem, com uma excelente vitalidade e resposta aos estímulos, "Vai ser outra Joaninha", disse a dra Lurdes.
 

domingo, 23 de junho de 2013

Filho de peixe, peixinho é

A propósito deste post da Calita do Panados e Arroz de Tomate, aproveitei uma noite em que a miúda estava inquieta ao adormecer para lhe dizer para fechar os olhos e pensar em coisas boas. Depois perguntei-lhe em quê:
"Estou pensar em salvar o mundo. Proteger os animais e as flores, não deitar lixo para o chão."
Que nobre missão.

sábado, 22 de junho de 2013

Pai doente

Está com febre e dores de cabeça desde ontem, dia do seu aniversário.
Se este menino, com tantos bichos à volta, não apanhar nada é um milagre.
Depois de uma semana louca, em que não se percebia bem o que queria, se era fome ou vontade de comer, estava tudo mais tranquilo com o aumento significativo de peso.
Agora isto. Declarado novamente o estado de insanidade.
A vida é mesmo uma montanha russa.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Fim-de-semana em grande - Joana

 
No sábado à tarde foi o tão esperado Festival Panda. Há pelo menos 1 ano que queria ir e até agora tínhamos conseguido empurrar a coisa "para o próximo ano". Agora, pela insistente publicidade, ela tinha plena noção do dia e ia perguntando. Aproveitamos um momento de bondade da tia Cristina e colámo-nos à sua ideia de a levar.
Lá foram de metro até ao estádio do Dragão - mais um motivo de excitação - e divertiram-se muito! A miúda dava saltos de alegria a cada actuação.


 
 
No domingo foi o Open Day da natação. Acompanhou-nos a avó N. e ficámos cheios de orgulho dos progressos da nossa menina! Um peixinho na água!
Quando a fui ver há uns tempos quase tinha um colapso ao ver que andava sozinha na piscina de um lado para o outro apenas agarrada à prancha e que dava mergulhos, nadando à cãozito até à borda. A professora já não entra na água, acompanha de fora.
Agora já não existiu essa "surpresa", apenas os progressos, como o mergulho de cabeça e a flutuação.
Quem diria que esta peixinha que não suportava salpicos nos olhos iria estar tão à vontade ao mergulhar e até quando a professora os imerge sem avisar para passar entre pistas!
 
 



segunda-feira, 17 de junho de 2013

3 semanas, a caminho das 4 - Diogo e Joana

Na passada 5ª feira, 13.Junho, o Diogo fez 3 semanas.
Está muito mais desperto e acorda facilmente para o leite, nos últimos dias até o faz por ele, a berrar a plenos pulmões. Tem sido mesmo um relógio, sobretudo de noite, raramente abdicando do intervalo de 3h, quando não é menos tempo. Praticamente deixámos de ter o trabalho de o despertar.
Ou seja a estratégia do suplemento à noite, para aconchegar bem o estômago, ajudou a ter intervalos tranquilos, no entanto não deixa de impor a sua vontade.
 
Continua muito comilão e este apetite revelou-se no peso. Na 3ª feira fomos pesá-lo à Lapa e ficámos muito contentes: 2.760 kg, aumentou 310 gr. em 1 semana. Na 6ª fomos à consulta do recém-nascido no centro de saúde e já estava com 2.900 kg! Muito bom! Estamos tranquilos com esta franca evolução e na próxima semana confirmaremos com a pediatra se são possíveis, desde que o bebé queira, intervalos maiores entre leitinhos.
 
Tem sido calminho, chora apenas para se queixar de algo que incomoda, fome, fralda suja (para nós é novo, à Joana era indiferente), soninho, cólicas (porque come demais), arrotinhos entalados... Fora isso dorme ou fica desperto muito tranquilo.

Adora o banho, fica muito relaxado e depois dorme profundamente;

Gosta de chucha moderadamente, quase só para adormecer. Para enganar a fome resulta por pouco tempo!

Na 5ª feira demos o 1º mini passeio, até ao café e já se nota que vai mais direitinho no coque.
 
 
Aos poucos e com a recuperação da Joana e o regresso à escola, sentimo-nos a criar uma nova rotina e equilíbrio e finalmente respiramos fundo.
O facto de ser o 2º filho dá-nos muito mais tranquilidade e satisfação ao perceber melhor as suas necessidades e o que quer a casa momento (dormir, mamar,...)
Felizes!
 
Conseguimos finalmente ir jantar fora a dois - jantar em falta desde a semana em que o Diogo resolveu nascer - e soube mesmo bem desanuviar e esquecer os dias em que andámos às cabeçadas pelas preocupações e cansaço acumulados - não foi nada fácil!
 
A Joana está impecável com o mano, superando qualquer expectativa e tendo passado a doença, não tão exigente connosco. Já percebeu que não lhe rouba o lugar, já o encaixou na sua nova rotina e na família e isso também me faz sentir incrivelmente bem. Tenho a certeza de que vão ser sempre grandes amigos.
Quer ajudar nos cuidados, quando chora preocupa-se com o motivo, pergunta se já são horas de comer, sugere uma gota de aero-om na chucha, faz festas e diz "oh coitadinho". Quando nos vê ocupados ou simplesmente sentados, vai brincando sozinha - quase inédito.
Desfaz-se em mimos e beijinhos. Emociono-me muitas vezes com estes carinhos, assim vale mesmo a pena criar uma família!



quinta-feira, 13 de junho de 2013

Pai Natal em Junho

O calendário do advento com o Pai Natal, deixado esquecido na sala nas arrumações de Janeiro, encontrou uma nova e grande utilidade em Junho, ao contar os dias que faltam para o Festival Panda.
A miúda começou no dia 1 a tirar a caixa do dia para o lado.
"Hoje é dia 14?!? Então depois de amanhã é o Festival do Panda!" - veio a correr pela cozinha fora. E saltou, saltou, rodopiou!

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Regresso à escola


Passada uma semana sem ir à escolinha digo à miúda:
"Amanhã já vais à escola."
E uns grandes olhos azuis arregalam-se de felicidade:
"Vou?! A sério?"

Quando é que eu pensava que chegaríamos a este ponto!

As nossas camas

A nossa última noite:
 
- às 23h00 deito-me com a Joana, no meu quarto. Depois da história caímos as duas para o lado;
- a avó R. deita-se na cama da Joana;
- o pai fica na sala com o Diogo, a fazer horas;

- 01h00 toca o despertador para o antibiótico da Joana, levanto-me ;
- o pai já deu o biberão ao Diogo e pôs a arrotar e lembra-se que quando ela acordar já não vai querer passar para o quarto dela;
- deito-me eu na outra cama-gaveta do quarto da Joana e o pai com ela no nosso quarto.
- o Diogo vai comigo; (fico portanto a dormir com a minha sogra, inédito).
 
- 04h00 acorda o Diogo para mamar, a avó vem connosco para o pôr a arrotar (demora!); quando nos despachamos das nossas tarefas voltamos para a cama;

- 07h00 toca o relógio Diogo, repete-se o ritual, mas é o pai que acompanha;
- vou dormir para o meu quarto com a Joana;
- o pai, quando termina o turno deita-se na cama-gaveta do quarto da Joana com o Diogo.


É a dança dos pais e filho. Ai e tal dormir com a miúda... conseguimos dormir senhores, conseguimos! E nada me parece mais importante.

A propósito, o post que venero do Locais Habituais, "Deixai as nossas camas e mamas em paz". A parte das mamas também está na ordem do dia, fica para outro post.

 

Pneumonia

No domingo a Joana acabou por estar bem, a febre só chegou aos 37.5°, ao fim da tarde, e passou à noite. Na 2a feira foi idêntico, para nosso desespero por nunca mais ir embora de vez e subiu até aos 38°. Decidimos então ir à urgência do HPP (5 estrelas).
Após auscultação e rx: pneumonia atípica. Sei que as pneumonias não são como antigamente, ainda assim o nome impõe respeito, por isso esclareci com a médica que se trata de uma ligeira, podendo até chamar-se infecção respiratória, atendendo ao restante bom estado, alimentação correcta e febre já baixa.
Veio de lá com prescrição de antibiótico. Durante mais 48h ainda seria contagioso, depois e quando a febre passasse, podia voltar à vida normal. Confesso que havendo um diagnóstico e tratamento definidos fiquei até mais tranquila do que com a incerteza. Na minha cabeça já só passavam filmes negros, como tumores e leucemias...
Caricato e sem graça nenhuma é raramente estar doente e a pior "tinha" da vida dela acontecer quando o Diogo nasceu. Nem sei como o conseguimos proteger. Se foi imunidade pelo meu leite, dure a amamentação mais ou menos tempo, já valeu a pena o esforço para o conseguir pôr a mamar.
 
Entretanto antibiótico já começou a fazer efeito, ontem não teve mais febre e começamos a respirar de novo.
 
A destacar também o bom comportamento na consulta, receptiva a todos os procedimentos (só se assustou com a máquina do rx).
É um doce a minha filha. Já tinha ido à falência se a premiasse por cada atitude de crescida. Na sala de espera, fez a festa, desde falar com toda a gente, grandes e pequenos, até lançar aviões de papel...

domingo, 9 de junho de 2013

DPP

E hoje era a DPP, data prevista para o parto inicialmente, 40 semanas.

2ª semana - 31.Maio a 06.Junho


Na segunda semana há a destacar:

31.Maio - 6ª - 1 semana e 1 dia

- as vacinas BCG e Hepatite B no Centro de Saúde. Claro que nós e a avó R. não conseguimos olhar... Gritaste muito, acalmando rapidamente no mimo do meu colo.

- a festa do Dia da Criança na escolinha da Joana. Fizeram pinturas faciais e em t-shirts que trouxeram para casa. Fui eu buscá-la (adorou!) e vinha radiante!


01.Junho - sábado

- fomos à festa da Criança no Palácio, o nosso 1º passeio, a 3, depois de sermos 4, e o meu 1º também depois de tanto tempo no estaleiro. Apesar de ainda dorida, o que se agravou com o calor, soube bem! A Joana estava muito feliz! Estava imensa gente, mas deu para aproveitar algumas actividades com menor fila.
O Diogo ficou com a avó e portou-se muito bem. ;)


02.Junho - domingo

- caiu o cordão umbilical de madrugada, sem que o papá e a avó N., que lhe trocaram as fraldas durante a noite, tenham dado conta. Recuperámos da roupa suja!

- o papá voltou com a Joana ao Palácio, pois tinha ficado com pena de não ter experimentado os insufláveis.

- jantámos em casa dos tios V. e F. e o Diogo conheceu as primas C. e C. e o primo V..


03.Junho - 2ª

- pesagem no Hospital da Lapa: 2.450 kg! O peso de nascença recuperado! Ficámos felizes! A dra. Lurdes também, sobretudo por ter sido em tão pouco tempo e deu carta branca para continuarmos com o suplemento apenas à noite.

- A Joana começou a dar sinais de sentir falta de fazer as nossas coisas e ter os seus mimos. Não tem ciúmes directos, sente a nossa falta de disponibilidade.


04.Junho - 3ª

- Ligaram da escolinha com o telefonema que nunca é bom: Joana com febre... (4ª vez este mês com pico de febre).
Felizmente ainda deu tempo para aproveitar a festa da criança (2ª parte) com os insufláveis
O jantar e deitar foram muito agitados entre mim, pai e a avó R., à custa da doença e exigências da mini... Eu estava k.o....

- Após o banho está a tornar-se hábito o chichi em repuxo sobre a mãe!


05.Junho - 4ª

- Após 2 aventuras consegui tratar de metade do pedido do subsídio de parentalidade na Seg. Social...


06.Junho - 5ª - 2 semanas

- Resolveu não pegar na mama, ficou ali à espera que "pingue" como com o biberão da noite... Quando o forço não agarra, zanga-se, cabeceia, empurra-se com os braços contra mim e berra enervado. Foi à bomba...

- visita do tio João, que trouxe à mini máscaras do cão e do gato - foi uma diversão pegada!

- o Diogo ofereceu à mana 2 peixes dourados para retribuir o peluche da girafa que ela tinha dado. Ficou feliz da vida e conta a toda a gente!


Às 2 semanas:

- 1os sons (que não chorar), um " Uá" tão doce!

- cabelo a ficar loirinho

- pestanudo e com sobrancelhas!

- pelos na dobra das orelhas!

- um bebé calmo e doce!



Entretanto...

Desde terça a Joana tem estado doente, o que tem tornado esta semana extremamente cansativa e desgastante, entre os cuidados com o bebé, leites, agitação e febres nocturnas. Já não são tão altas como no início em que a tínhamos que enganar com Brufen no meio do Ben-u-ron, no entanto tendem em reincidir ao fim do dia e noite...
A pediatra disse que não tendo outros sintomas deve tratar-se de uma virose. Como são já 5 dias estamos a pensar ir hoje ao hospital para ficarmos mais tranquilos.
Tem-nos valido a avó R. durante a semana e os avós N. e N. e tia Cristina ao fim-de-semana, para conseguirmos dormir minimamente e dividir os cuidados. A Joana estando assim, só nos quer a nós com muito mimo e faz muitas birrinhas.

As preocupações não nos deixam descansar, nem usufruir tanto quanto queríamos desta fase, no entanto continuamos super-felizes como família de 4.


O Diogo continua um "dormilão", expressão que me saiu há dias sem querer. Já acorda mais facilmente durante o dia para mamar, mas apenas se pegarmos nele e mantém-se desperto por mais tempo. No entanto, a noite continua a ser "a cena dele" e à horinha certa, 3/3h começa a ranhetar e pedir o seu leitinho. Reloginho!
Com o tempo foi melhorando a sua técnica ao mamar e tornou-se profissional e fã da mamoca. Está quase com o estatuto da mana de "locomotiva". Dá cabo de mim em 45 min, "come tudo e não deixa nada".










sábado, 8 de junho de 2013

Voar por aí


"Mamã, eu nunca vou voar?"
"Não, não tens asas, não és pássaro."
"Estou cansada de andar e saltar, eu queria voar!"
"Olha que os pássaros também se cansam!"


"O mano tem asas!"
"Asas?"
"Sim, mas não tão grandes como eu, só vai ter grandes quando crescer."
"Ah"
"Eu só consigo voar um bocadinho como as galinhas" - demonstra com um salto


 "Já sei! No espaço há gravidade e vou conseguir voar!"

 

Ups...  a vontade de voar está a tornar-se intensa
Eu faço-lhe todas as recomendações possíveis sobre os perigos das janelas, nunca são demais...

Voar é o sonho perseguido e alcançado pelo Homem há muito. Há algo que nos leva a querer ir mais longe e isso começa bem cedo.
Lembro-me de sonhar frequentemente que conseguia voar. Normalmente era pela casa e o problema era conseguir pousar.


Spread Your Wings and Fly! É o que quero que a Joana faça. Com os pés bem assentes na terra!

sexta-feira, 7 de junho de 2013

1ª Semana - 23 a 30/Maio

(Aviso à navegação: contém muito pormenores de mãe e termos "técnicos" de maternidade ;) )

23.Maio - 5ª feira - 1º dia

Chegámos ao quarto, já a 3, às 05h30. Liguei à avó N. a dar a notícia e do outro lado já só ouvi uma avó feliz e emocionada. A enfª T. saíu pelas 06h30 depois de dar o 1º leitinho. Escusado dizer que nesta noite já não dormimos numa mistura de cansaço e euforia. Um pássaro, canário ou parecido, não largou a nossa janela. Na altura apetecia-me esfolá-lo, agora sei que anunciava a boa nova.

Às 8h00 veio o emocionado avô N. visitar-nos, antes de ir trabalhar, depois a tia Cristina. Entretanto chegou a avó R., que veio a pé desde casa.

A avó N. contou à Joana que tinha nascido o Diogo, lendo a minha mensagem, que escrevi à pressa antes de sair para a maternidade. A Joana ficou muito feliz e depois chorou de alegria. Que linda!
Já nada a convenceu a ir à escola, nem sequer a natação e não sossegou enquanto não foi ver o mano.
Veio com a avó N. e que linda e doce foi com ele! O meu coração ficou cheio de felicidade de ver os meus filhotes juntos!
E que grande me pareceu a Joana!

À hora do almoço veio o tio João e a Joana e à noite os (bis)avós S. e H.. Radiantes!

A Joana ficou choca na avó N. e com febre... Como era a 3ª vez este mês que tinha um pico de febre os avós levaram-na ao hospital: virose, andam por aí umas com estes sintomas...


24.Maio - 6ª feira - 2º dia

A querida enfª T. veio dar banho ao bebé, que acompanhei, aproveitando para "rever a matéria dada".

Depois de uma noite a chamar por nós, a Joana acordou como se nada fosse em casa do avós e mostrou-se desinteressada em ir visitar-nos, queria era ficar em casa com a avó N. e receber todos os mimos!
Ao telefone comigo:
"Que foi isso mamã?"
"Foi o mano a gritar"
"Não achas que parece um pato? ahahahah
"Hum lá isso parece..."
Depois lá veio e saiu com o pai para a avó R., depois de muito subir e descer às camas e jogar no telemóvel...

De tarde veio a dra. Lurdes e nem examinou o Diogo por estar a dormir depois de mamar, apenas conversámos. Convenceu-me juntamente com a avó N. a ficar mais uma noite. Reconheço que foi o melhor, é outro apoio e descanso. E atendendo a que a Joana estava doente, mas tranquila, ficámos.

À noite foram visitar-nos os tio H. e G..


25.Maio - sábado - 3º dia

A enfª Teresa veio dar banho ao Diogo e entretanto chegou a dra. Lurdes, examinou-o e deu-lhe alta.

Regressámos a casa e foi lindo voltarmos os 4 ao lar. Que sensação boa! Como diria o pai, foi magnífico ver 2 cadeiras de bebé no carro.
A Joana estava eufórica e querer ajudar em tudo, ir buscar o berço, fazer festas, pôr o bebé confortável.

No hospital os dias e as noites foram tranquilas, o bebé estava sossegado e era preciso esforçarmo-nos para despertá-lo para o leite. Não tinha reflexo de mamar, foi preciso ensiná-lo e insistir muito, até no biberão, quanto mais na mama...

Visitas: tios V. e F.; Ondina e Jorge, Tiago e tia L..


26.Maio - domingo - 4º dia

Começaram as noite de arraial entre gritos, arrotos, cólicas e pelo facto de ter os sonos trocados...

Almoço com avós N. e N.
Avó R. veio dormir cá a casa


27.Maio - 2ª feira - 5º dia

Tirei os pontos e entrei no paraíso!


28.Maio - 3ª feira - 6º dia

Não pregámos olho entre mamadas + arrotos "presos", quando o deitávamos fazia barulhos + cólicas, tudo a sobrepor-se. Fomos tentando ficar com ele à vez, mas era impossível, tal a forma como berrava. A Joana, ainda não habituada a este barulho, ía acordando.
Ficámos totalmente k.o.

Teste do Pézinho - feito em casa pelo enfº de família, Nuno S.. Serviço 5 estrelas do Centro de Saúde.

Avó R. veio cá dormir para o "apoio logístico" e conseguirmos descansar um pouco. Ficou o resto da semana. Foi o que nos valeu!

Visita do tio J. e veio também a avó N.


29.Maio - 4ª feira - 7º dia

A noite correu melhor, com menos gritaria, ainda que com muito tempo "arregalado". A ajuda da avó R. a meio da noite também soube bem!

Papá doente com febre e dores de cabeça terríveis pela falta de dormir.


30.Maio - 5ª feira - 8º dia - 1 semana


Consulta pediatra dra. L.:

- peso 2.370 kg - só perdeu 80gr., o que foi muito bom considerando que na 1ª semana os bebés podem perder até 10% do peso.

- 47 cm

- boa vitalidade e resposta a todos os estímulos

A dra. L. é como sempre um doce e delicia-se com as crianças, como se tudo fosse sempre novidade.

Falámos sobre a semana:
- tudo foi melhorando e regularizando um pouco: o Diogo um pouco mais desperto de dia e a adormecer mais cedo à noite; o intestino a dar menos dores; arrotar mais facilmente; aprendeu a pegar e mamar melhor, quase não quer o suplemento.

Falámos sobre o parto e recuperação. Achei curioso que quando o pai perguntou sobre a utilização da ventosa, a dra. confirmou que não foi usada, mas que normalmente nessa hora nem olha (como outros pediatras também) quer é que corra tudo bem e reza!

Falámos também sobre a questão de com o 2º não existir (tanto) o factor novidade, mas sim o tão importante da tranquilidade e mesmo assim ser tão especial.


De forma a ajudar a regularizar os sonos e visto que o peso está dentro dos padrões, indicou-nos dar mama durante o dia e suplemento apenas à noite. Assim fica saciado à noite e dorme e com mais fome e desperto para mamar de dia. Na 2ª feira confirmávamos o peso.



sábado, 1 de junho de 2013

Nasceu o Diogo

O Diogo nasceu no dia 23.05, às 4h23, com 2.450 kg e 46 cm, de parto normal (com epi).
Foi tudo muito rápido. Na 4a, dia 22, de manhã na consulta já tinha dilatação. Após toque da obstetra fiquei moída e com muitas contracções. Às 21h jantava massa com salsichas ;) quando apertaram. Liguei à enf.a às 22h e, perante a evolução, às 2h30 estava a entrar no hospital da Ordem da Lapa. Às 4h23 nasceu.
Estamos cansados, sobretudo pelos sonos trocados, mas muito felizes.
Tem-nos valido a ajuda preciosa das avós.
A Joana anda eufórica com o mano, quer ajudar em tudo e conta a novidade a toda a gente cheia de orgulho. Ontem começou a dar sinais, não de ciúmes, mas de falta de nós, de fazermos as rotinas habituais com ela, dos mimos.
Mais uma vez, uma certeza: o amor é um sentimento que não se divide, multiplica-se, cresce exponencialmente!